As crises da “sociedade de consumo”

Os anos de 1945 a 1975 são chamados os trinta gloriosos, o tempo da tal “sociedade de consumo”.

A dita “sociedade de consumo” consta da população ocidental que viveu da colonização. A colónia dava a matéria-prima e comprava o produto acabado, ao preço que o colonizador determinava.

A dupla: colónias e industria (para a saquear) são a base de sustentação da tal “sociedade de consumo”.

Quem trabalhou na industria recebeu o seu quinhão do saque das colónias, dos tais países “menos industrializados”. Foi esse quinhão de saque que permitiu a prática do tal “consumismo”.

Uma hora do europeu/americano era igual a centenas de horas do asiático/africano, matérias-primas incluídas. Foi esta a base da sustentação da tal “sociedade de consumo”.

O consumista europeu podia ter os objectos que são o resultado de milhares de horas dos asiáticos e africanos, porque esses milhares de horas deles eram equivalentes a algumas horas do consumista.

Os USA colonizaram a Europa ocidental, a Europa ocidental tinha colónias africanas e asiáticas, que mantiveram a tal “sociedade de consumo”.

Só que a história é sarcástica. Nesse mesmo período o colonizador da Europa impôs a descolonização europeia…

A perda de sustentação: as crises

Em meados de 70 a maioria da descolonização europeia está feita, a tal “sociedade de consumo” começa a perder sustentabilidade.

O fim das colónias europeias e respectiva deslocalização da industria, foram o fim da sustentação financeira da “sociedade de consumo” do ocidente.

O crédito passou a ser a forma de prolongar o tal consumismo, que não tem sustentação económica desde os anos 70.

As “crises” de crédito passaram a ser a norma da tal “sociedade de consumo” ocidental. Que estranho! 😀 😀

Antes de não ter sustentação ecológica, a sociedade de consumo ocidental, não tem sustentação financeira. Uma chatice 😀 😀

Folclore da sociedade de consumo

As esquerdas e direitas, que sobraram (existiram muitas outras), são relativas a essa tal “sociedade de consumo”. Isto é, tão caducas, e sem sustentação, como a própria “sociedade de consumo” que prometem renascer.

Conhecimentos são chatos, é mais divertido ter opiniões, principalmente de esquerda e direita para poder discutir ignorâncias. 😀 😀 

Que importam os pormenores da história? Colocar as culpas na esquerda ou na direita é um passatempo mais divertido.

Além disso a ecologia não é uma droga potente, como o consumismo. Não dá aquela alegria pueril do brinquedo novo, um lixo novo todos os anos, que é a alegria do consumista. 😀 😀

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s